O revolucionário cordial

Astrojildo Pereira e as origens de uma política cultural

Martin Cezar Feijó

R$ 49,00 Comprar

O revolucionário cordial
  • autor: Martin Cezar Feijó
  • prefácio: Sergio Augusto
  • orelha: Gilberto Maringoni
  • capa: Maikon Nery
  • coedição: Fundação Astrojildo Pereira
edição:
2
selo:
Boitempo
páginas:
256
formato:
23cm x 16cm x 2cm
peso:
300 gr
ano de publicação:
2022
encadernação:
brochura
ISBN:
9786557171400

Astrojildo Pereira, um dos nove fundadores do Partido Comunista do Brasil (PCB), morreu convencido de que o partido sempre acertava, até quando errava. Aceitava o mote de que era melhor errar coletivamente do que acertar individualmente. Anarquista na juventude, tornou-se comunista na maturidade. Foi ainda reconhecido como um dos mais representativos e respeitados participantes da tentativa de transformar o mundo não só em seu aspecto material, mas também em suas bases culturais.
 
O revolucionário cordial: Astrojildo Pereira e as origens de uma política cultural é uma tentativa de interpretação da trajetória do intelectual Astrojildo Pereira através de seus escritos e sua comunicação, principalmente aquela impressa em livros. O trabalho de Martin Cezar Feijó busca apresentar os escritos militantes de Pereira, marcados por profunda tensão entre a revolução e a modernidade, no período que compreende a Primeira Grande Guerra (1914-1918) e o fim da Segunda Guerra (1939-1945).
 
Mais do que isso, analisa a proposta de construção de uma política cultural levantada por Astrojildo. O projeto de alfabetização proposto por ele levava em conta a cultura popular e preferia chamar à luta um setor da sociedade civil rebelde (ou que, pelo menos, deveria sê-lo) às imposições do Estado: os intelectuais. Investimento na formação intelectual, moral e estética de todas as pessoas, em condições iguais e democráticas. É a origem de um projeto de política cultural de um revolucionário que leva em conta a memória dos afetos e das dores do país, apontando para um futuro melhor, apesar das adversidades.
 
Com prefácio inédito de Sergio Augusto e inserção de imagens raras, a segunda edição atualizada da biografia escrita por Feijó chega ao público no contexto de aniversário dos cem anos de fundação do Partido Comunista – Seção Brasileira da Internacional Comunista (1922-2022).

 

Trecho

“Astrojildo, aos 37 anos de idade, atravessou de trem o centro do país até a cidade de Corumbá, no Mato Grosso, para depois então, de automóvel, se encontrar nas proximidades da fronteira com o líder tenentista – na verdade capitão que havia em pouco tempo se transformado em general – Luís Carlos Prestes, também conhecido como o “Cavaleiro da Esperança”. Astrojildo foi bem recebido pelo revolucionário, que queria notícias do Brasil, e deu uma entrevista para o jornal tenentista que promoveu o encontro. Prestes também ficou com os livros sobre teorias revolucionárias que o líder trazia em suas bagagens. O revolucionário exilado, após ter atravessado o país com uma coluna de soldados dispostos a transformarem o quadro de miséria e atraso do Brasil, leu com atenção aqueles livros todos, e considerou aquele visitante um mensageiro que trazia uma nova possibilidade para seu anseio de transformar o mundo e não apenas derrubar um governo. E este encontro levou Astrojildo a receber uma das maiores e mais fortes críticas dentro do partido, de ser “prestista”. Esta foi uma das justificativas de sua expulsão do PCB, depois de ter sido destituído do cargo de secretário-geral, em 1931."