• Minhas compras
  • Entrar

Marxismo e questão racial

dossiê Margem Esquerda

Silvio Luiz De Almeida, Alessandra Devulsky, Dennis de Oliveira, Marcio Farias, entre outros.

R$ 8,00 Comprar

Marxismo e questão racial
  • autor: Silvio Luiz De Almeida
    Alessandra Devulsky
    Dennis de Oliveira
    Marcio Farias
    Rosane Borges
edição:
selo:
Margem Esquerda
páginas:
64
formato:
23cm x 16cm x 0cm
peso:
120 gr
ano de publicação:
2021
encadernação:
brochura
ISBN:
9786557170601

“Ao contrário do que apregoam as leituras liberais, racismo não é apenas um problema ético, uma categoria jurídica ou um dado psicológico. Racismo é uma relação social, que se estrutura política e economicamente.”

 

Assim o filósofo do direito Silvio Luiz de Almeida abre este pequeno e afiado livreto que se propõe a introduzir as problemáticas e tensões produtivas entre marxismo e a questão racial. Publicado originalmente como dossiê de capa que ele organizou para revista Margem Esquerda, o volume põe em xeque a suposta incompatibilidade entre esses dois eixos de reflexão social postulando que seu afastamento mútuo é profundamente nocivo para ambos. Para Almeida, um marxismo que não debata seriamente a questão racial só pode ser caracterizado como débil pois fica inviabilizado de cumprir sua tarefa histórica e teórica maior; e um antirracismo que se recusa a articular a questão racial às determinações materiais do modo de produção capitalista perde combatividade e deixa de apreender aspectos fundamentais de sua própria situação e potencialidade enquanto movimento negro.

 

É este espírito que anima os quatro ensaios elaborados para, de maneira complementar, esquadrinhar algumas perspectivas cruciais de um debate ainda inconcluso mas mais do que necessário. Alessandra Devulsky destrincha as articulações entre Estado, racismo e materialismo; Dennis de Oliveira traça um panorama do histórico do movimento negro no Brasil, sob a perspectiva do marxismo; Marcio Farias apresenta a trajetória e as contribuições de um dos mais brilhantes marxistas brasileiros a interpretar o país dando centralidade à questão racial; e Rosane Borges fecha o livro com um debate sobre os encontros e desencontros entre os feminismo negros e a tradição marxista.

 

Trecho do livro:

 

“Se é possível dizer que o marxismo permite uma compreensão científica da questão racial, também se pode afirmar que a análise do fenômeno racial abre as portas para que o marxismo cumpra sua vocação de tornar inteligíveis as relações sociais históricas em suas determinações sociais mais concretas. Os conceitos de classe, Estado, imperialismo, ideologia e acumulação primitiva, superexploração, crise e tantos outros ganham concretude histórica e inteligibilidade quando informados pelas determinações raciais. Nesse sentido, é importante dizer quão essencial o estudo das relações raciais é para a compreensão das especificidades de cada formação social capitalista, especialmente nos países da América, do Caribe, da África e da Ásia.”