Machado de Assis

ensaios e apontamentos avulsos

Astrojildo Pereira

R$ 53,00 Comprar

Machado de Assis
  • autor: Astrojildo Pereira
  • prefácio: José Paulo Netto
  • orelha: Luccas Eduardo Maldonado
  • capa: Maikon Nery
edição:
1
selo:
Boitempo
páginas:
280
formato:
21cm x 15cm x 2cm
peso:
300 gr
ano de publicação:
2022
encadernação:
brochura
ISBN:
9786557171448

Machado de Assis: ensaios e apontamentos avulsos, lançado pela primeira vez em 1959, é um dos trabalhos mais importantes e conhecidos de Astrojildo Pereira. O autor traz uma detalhada análise sobre a vida e obra de um dos maiores nomes da literatura brasileira, revelando um escritor perspicaz, crítico atento e sensível e um romancista com forte sentido político e social.
 
No ano do centenário de fundação do Partido Comunista Brasileiro (PCB), a Boitempo e a Fundação Astrojildo Pereira relançam essa importante obra com a inclusão de alguns textos, atualização gramatical e uma padronização editorial.  Os textos introdutórios das edições passadas foram suprimidos e novos foram incorporados, havendo uma exceção no caso do escrito de José Paulo Netto. Quase 30 anos depois da redação de “Astrojildo: política e cultura”, Paulo Netto retomou o seu texto e preparou uma nova versão que abre a presente edição como seu prefácio. O historiador Luccas Eduardo Maldonado assina a orelha. As ilustrações de Claudio de Oliveira utilizadas na terceira edição foram mantidas na atual.
 
Alguns anexos foram incorporados como a crônica “A última visita” de Euclides da Cunha (1866-1909), na qual relata a visita de Astrojildo ao leito de morte de Machado de Assis. Outro incremento foi “Machado de Assis é nosso, é do povo” de Astrojildo, publicado em novembro de 1938 na ocasião dos 30 anos do falecimento do Bruxo do Cosme Velho. O texto apareceu originalmente na Revista Proletária, periódico vinculado ao PCB que tinha uma circulação extremamente restrita devido à ditadura do Estado Novo. Um artigo do militante comunista Rui Facó (1913-1963), intitulado “Em memória de Machado de Assis”, foi anexado. Esse texto apareceu originalmente em 27 de setembro de 1958 no Voz Operária, jornal oficial do comitê central do PCB, e fazia uma homenagem ao fundador da ABL no cinquentenário de sua morte. Por fim, inclui-se também uma resenha de Machado de Assis de Astrojildo escrita por Otto Maria Carpeaux, intitulada “Tradição e Revolução”.  
 
Trecho

 

“Assim como o coração tem razões que a razão desconhece, poderíamos talvez dizer que a razão ou o gênio tem sentimentos que o coração desconhece. E nisto reside, ao que suponho, a essência do problema do “bom” e do “mau” Machado de Assis. Era Machado de Assis um homem bom, um homem mau? O ponto preliminar a esclarecer neste caso é o seguinte: o fato de botar a nu a crueldade, a dissimulação, a hipocrisia, as pequenas vaidades e os secretos apetites de homens e mulheres observados na sociedade, e revividos em contos e romances, significa que o psicólogo, que estuda e desnuda o caráter alheio, seja ele próprio portador das taras e defeitos que analisa? Outra pergunta: o fato de alguém possuir tão agudo dom de análise e em si mesmo um defeito ou uma tara? Parece-me claro que não. Seria o mesmo que atribuir ao cirurgião a malignidade do tumor que ele rasga e extirpa do enfermo.”